oi Ementas
 

Pagina Inicial da UNIFESP

  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Início Matriz Curricular Ementas
Ementas

Seminário I: Vulnerabilidades Infanto-juvenis: o corpo doente e ações por reconhecimento

Seminário I: Vulnerabilidades Infanto-juvenis: o corpo doente e ações por reconhecimento
Professor (a) Responsável: Profª Drª Amália Neide Covic
Dia da Semana: Quarta-Feira
Horário: 14h até 17h
Local: Anfiteatro- Hospital do Graacc- 6ª andar- Rua Pedro de Toledo, 572

Aulas quinzenais

Ementa:

Estudos das Enunciações recorrentes do pensamento imbricado nas questões do sofrimento e dor na sociedade contemporânea. Como pano de fundo a experiência de reconhecimento dos sujeitos envolvidos no mundo-da-vida e mundo dos sistemas. Abordagem: a) vulnerabilidade expressa em função do imaginário social e histórico e repercussões no processo de escolarização, b) vulnerabilidade que tem no contexto escolar e clínico o seu lócus.

Bibliografia Básica

AGAMBEN, Giorgio. O poder soberano e a vida nua . Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002.

ARENDT, Hannah. A Condição Humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2000.

BAUMAN, Z. Identidade. Rio de Janeiro: Zahar, 2005.
BLUEBOND-LANGNER, Myra. The Private Worlds of Dying Children. New Jersy: Princeton University Press, 1978.
ELIAS, N. A Sociedade dos Indivíduos. Rio de Janeiro: Zahar, 1994.
HABERMAS, JÜRGEN. Teoria da Ação Comunicativa. Vol. II, São Paulo: Martins Fontes, 2012.
HONNETH, A. Luta por Reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. São Paulo: Editora 34.
LAPLANTINE, François. Antropologia da doença. São Paulo, Martins Fontes, 2011.

 

Seminário de Estudos Avançados: Introdução à análise das interações didáticas

Seminário de Estudos Avançados: Introdução à análise das interações didáticas
Professor (a) Responsável: Violaîne Bigot (Universidade Sorbonne Nouvelle), com Márcia Cristina Romero Lopes e Cláudia Lemos Vóvio
Dia da Semana: Terça-feira curso intensivo, com duração de 08 aulas. Aulas ministradas em francês, com tradução das ideias principais.
Horário: das 9h00 às 12h00
Local: Campus Guarulhos
Aulas diárias: 04/11, 05/11, 06/11, 07/11, 11/11, 12/11, 13/11 e 14/11
Ementa:
O seminário se propõe a introduzir os estudantes na análise das interações didáticas como instrumento para a construção do savoir-faire profissional em jogo no ensino da língua em contexto escolar. Os temas entrevistos são: apresentação de uma abordagem tipológica para analisar a especificidade das interações verbais que se desenvolvem em classe; análise da diversidade dos papéis interacionais dos participantes professor e aluno conforme as atividades em curso; o lugar das atividades discursivas em jogo nas interações didáticas e o desenvolvimento da competência linguageira dos alunos. Para tanto, serão analisadas passagens de aulas centradas em atividades de compreensão de texto (escritos ou orais) e atividades de co-construção interacional do sentido que nelas pode se observar.

Bibliografia Básica
A ser lido antes do início das aulas:
Kerbrat-Orecchioni, C. Les interactions verbales, Tome 1, A. Colin, 1990, p.111-137
Vion, R. La communication verbale, Hachette Supérieur, Paris, 1992, p.119-143

Arditty, J.; M., Levaillant (1986) Repères pour l'analyse d'interactions verbales, dans ARDITTY, J. (éd.), Paroles en construction, Encrages 18-19 (document numérique)
Cicurel, F. La classe de langue, un lieu ordinaire, une interaction complexe, AILE n°16, 2002. (en ligne)
Bigot, V., Cadet, L. Comment la prise en compte de discours d'enseignants sur leurs pratiques renouvelle-t-elle l'analyse des interactions didactiques en classe de langue ?, dans BIGOT, V.; CADET, L. eds. Discours d'enseignants sur leur action en classe. Enjeux théoriques et enjeux de formation, Riveneuve éditions, 2011.
PORQUIER, R., PY, B. Apprentissage d'une langue étrangère : contextes et discours. Coll. Essais crédif, Didier. P.18-39, 2004.

 

Seminário - História da Educação Matemática (Mestrado e Doutorado)

Seminário - História da Educação Matemática (Mestrado e Doutorado)
Professores Responsáveis: Maria Célia Leme da Silva e Wagner Rodrigues Valente
Terça-feira das 14h30 às 17h30
Local: Vila Clementino
Aulas: semanais
Ementa:
Este seminário tem por objetivo discutir as diferentes representações do Movimento da Escola Nova e aprofundar o debate sobre a produção da história da educação matemática nos anos iniciais.

Bibliografia Básica

CARVALHO, M. M. C. Modernidade Pedagógica e Modelos de Formação Docente. São Paulo em Perspectiva, 14(1), 2000.
MONARCHA, C. Brasil arcaico, escola nova: ciência, técnica & utopia nos anos de 1920-1930. São Paulo: Editora UNESP, 2009.
PINTO, N. B. História das disciplinas escolares: reflexão sobre aspectos teórico-metodológicos de uma prática historiográfica. Revista Diálogo Educacional. Curitiba, v.14, n. 41, p. 125-142, jan./abr. 2014
SOUZA, R. F. Inovação educacional no século XIX: A construção do currículo da escola primária no Brasil. Cadernos Cedes, ano XX, no. 51, novembro/2000.
VALENTE, W. R. História da Educação Matemática: interrogações metodológicas. REVEMAT - Revista Eletrônica de Educação Matemática, v2.2, p. 28-49, UFSC: 2007.
VALENTE, W. R. Oito temas sobre história da educação matemática. REMATEC. Natal (RN), Ano 8, n.12, Jan-Jun.2013.
VALENTE, W. R. A Era dos Tests e a Pedagogia Científica: um tema para pesquisas na Educação Matemática. (mimeo).

 

Disciplina Optativa: O Aluno Gravemente Enfermo: vetores da educação e da saúde

Disciplina Optativa: O Aluno Gravemente Enfermo: vetores da educação e da saúde
Professor (a) Responsável: Profª Drª Amália Neide Covic
Dia da Semana: Quarta-Feira
Horário: 14h até 17h
Local: Anfiteatro- Hospital do Graacc- 6ª andar- Rua Pedro de Toledo, 572

Aulas quinzenais

Ementa:

A disciplina propõe duas linhas de reflexão: Pela primeira se examinará a vigência do contemporâneo na problematização do lugar do sujeito no espaço das instituições escolar e hospitalar. Pela segunda estudaremos como se configura a realidade do aluno gravemente enfermo. Nessa reflexão serão tematizados, 'biotecnologia' e 'vida nua', na relação com 'formas-de-vida' e construção de 'intersubjetividade'.
Bibliografia Básica

 

AGAMBEN, Giorgio. A linguagem e a morte. Um seminário sobre o lugar da negatividade. Trad. de Henrique Burigo. Belo Horizonte: UFMG, 2006.
AGAMBEN, Giorgio. O poder soberano e a vida nua . Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002.

ARENDT, Hannah. A Condição Humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2000.

GOFFMAN, Erving. Comportamentos em Lugares Públicos - Notas sobre a organização social dos ajuntamentos. Petrópolis: Vozes, 2010.

HABERMAS, JÜRGEN. O futuro da natureza humana. São Paulo: Graal, 2004.

HABERMAS, JÜRGEN. Teoria da Ação Comunicativa. Vol. II, São Paulo: Martins Fontes, 2012.

 

 

Disciplina: Linguagem e Enunciação - Introdução à Teoria das Operações Enunciativas

Disciplina: Linguagem e Enunciação - Introdução à Teoria das Operações Enunciativas
Professor (a) Responsável: Márcia Cristina Romero Lopes
Dia da Semana: quinta-feira
Horário: das 9h00 às 12h00
Local: Campus Guarulhos
Aulas semanais
Início 21-08 (09 semanas de aula).

Ementa:


Estudo do papel da língua-linguagem no processo de construção da significação e na constituição do sujeito por meio da análise de conceitos oriundos da Teoria das Operações Enunciativas de Antoine Culioli. Discussão de fatos linguísticos sob a ótica dos pressupostos enunciativos delineados, atentando para os seguintes temas:

• A linguagem como atividade de construção de sentido e de conhecimento: representação, referenciação e regulação.
• Referência e valores referenciais; contextualização e significação.
• Unidades lexicais: polissemia e identidade semântica.
• Unidades gramaticais: considerações sobre o seu estatuto significante.
• A integração entre léxico e gramática.
• Nomear e dizer: classes e cenários.
• A sintaxe: considerações sobre o seu estatuto significante.

Bibliografia Básica

BENVENISTE, Emile. Problemas de Lingüística Geral I. Campinas, SP: Pontes, 1995.
_____. Problemas de Lingüística Geral II. Campinas, SP: Pontes, 1989.
CULIOLI, Antoine. Pour une linguistique de l'énonciation. Paris: Ophrys, T.1, 1990.
_____. Pour une linguistique de l'énonciation. Paris: Ophrys, T.2, 1999.
_____. Pour une linguistique de l'énonciation. Paris: Ophrys, T.3, 1990.
CULIOLI, Antoine; NORMAND, Claudine. Onze rencontres sur le langage et les langues. Paris: Ophrys, 2005.
DE VOGÜÉ, Sarah. Os princípios organizadores da variedade das construções verbais. ReVEL, v. 9, n. 16, 2011.
_____. A la recherche des paramètres de l'élaboration du sens au sein des énoncés. CORELA. Poitiers: Université de Poitiers, p.1-29, 2011.
_____. L'énonciation dans le lexique. Actualité du concept benvenistien d'intégration dans la théorie des formes schématiques de l'école culiolienne. In : Brunet E., Mahrer R. (eds) Relire Benveniste. Réceptions actuelles des Problèmes de linguistique générale. Louvain-la-Neuve, Collection Sciences du langage: carrefours et points de vue, Academia-Bruylant, p.169-195, 2011.
_____. A língua entre cognição e discurso. Calidoscópio. vol. 11, nº 02, p.214-221, 2013.
DE VOGÜÉ, Sarah; FRANCKEL, Jean-Jacques; PAILLARD, Denis. Linguagem e enunciação: representação, referenciação e regulação. São Paulo: Contexto, 2011.
ROMERO, Márcia. Um possível diálogo entre a Teoria das Operações Enunciativas e a Aquisição: identidade semântica e produtividade discursiva. Alfa, São Paulo, n.54, v.2, p.475-503, 2010.
ROMERO, Márcia; VOVIO, Claudia. Da criatividade do falar do jovem às práticas pedagógicas criadoras. Interacções. Escola Superior de Educação de Santarém: Portugal, nº 17, p. 72-95, 2011.

 

Disciplina : Direitos Humanos, Educação e Cultura Impressa

Disciplina : Direitos Humanos, Educação e Cultura Impressa

Professor Responsável: Cleber Santos Vieira
Dia da Semana __quarta-feira
Horário _9h00-12h00_________
Local _Guarulhos Campus Provisório___________
Aulas semanais


Ementa:

A disciplina apresenta os direitos humanos como tema imprescindível na formação de educadores(as) e dos profissionais da saúde, bem como para a educação da infância e da adolescência. Problematiza a cultura impressa no contexto de universalização dos direitos humanos configurando-a como campo de pesquisa interdisciplinar em um raio que abrange antropologia, psicologia, sociologia, literatura e história. Oferece aportes teóricos e metodológicos que delimitam estudos a partir da produção, circulação e apropriações de obras testemunhais, romances, autobiografias, textos epistolares e memorialísticos. Oferece subsídios às pesquisas que abrangem usos e práticas destes artefatos culturais na formação do leitor e no processo de escolarização de crianças e jovens. Analisa ainda a produção cultural provenientes de movimentos juvenis urbanos em duplo sentido: testemunhos históricos e literatura de resistência de pessoas e grupos sociais em situação de vulnerabilidades sociais.


Bibliografia Básica
ARIÈS, Philippe. O tempo da história. Lisboa: Relógio D'Água, 1992.

ARENDT, Hannah. Homens em tempos sóbrios. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Obras escolhidas. 7 ed. São Paulo: Brasiliense, 1997.

BOSI, Alfredo. Literatura e resistência. São Paulo: Companhia das Letras,

CÂNDIDO, Antônio. A literatura e a formação do homem. In: Revista Ciência e Cultura, v.24, nº 9, 1972.

CANIVEZ, Patrice. Educar o cidadão? Campinas, SP: Papirus, 1991.

CARVALHO, José Sérgio Fonseca de. Educação, Cidadania e Direitos Humanos. Petropólis: Vozes, 2004.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano. Artes de fazer. 3ª. Ed. Petrópolis: Vozes, 1998.

DARNTON, Robert. O beijo de Lamourette. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

EISENSTEIN, Elizabeth L. A revolução da cultura impressa: os primórdios da Europa moderna. São Paulo: Ática,1998.

FOUCAULT, Michel. Ética, sexualidade e política. 2ªed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

GAY, Peter. Savage reprisals. Bleag house, Madame Bovary, Buddenbrooks. New York ; London: W.W. Norton & Company LTDA, 2003.

_________. Freud para historiadores. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989.

HUNT, Lynn. A nova história cultural. 2ªed. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

_________. Inventing human rights. New York ; London: W.W. Norton & Company LTDA, 2007.
_________. O Romance e as origens dos direitos humanos. Interseções entre História, Psicologia e Literatura. In: Varia História, Belo Horizonte, vol.21, nº34: p.267-289, julho de 2005.

KOLLERITZ, Fernando. Testemunho, juízo político e história. In: Revista Brasileira de História.vol.24, nº48, p.73-100, 2004.

LEFORT, Claude. Humanismo e Anti-Humanismo: uma homenagem a Salman Rusdhie. In: Desafios da escrita política. São Paulo: Discurso Editorial, 1999.pp.37-53.

LYONS, Marlyn. Os novos leitores no século XIX: mulheres, crianças, operários. In: CHARTIER, Roger; CALLO, Guglielmo. História da leitura no mundo ocidental. 2. São Paulo: Ática,1999.

 

Disciplina : Direitos Humanos, Educação e Cultura Impressa

Disciplina : Direitos Humanos, Educação e Cultura Impressa

Professor Responsável: Cleber Santos Vieira
Dia da Semana __quarta-feira
Horário _9h00-12h00_________
Local _Guarulhos Campus Provisório___________
Aulas semanais


Ementa:

A disciplina apresenta os direitos humanos como tema imprescindível na formação de educadores(as) e dos profissionais da saúde, bem como para a educação da infância e da adolescência. Problematiza a cultura impressa no contexto de universalização dos direitos humanos configurando-a como campo de pesquisa interdisciplinar em um raio que abrange antropologia, psicologia, sociologia, literatura e história. Oferece aportes teóricos e metodológicos que delimitam estudos a partir da produção, circulação e apropriações de obras testemunhais, romances, autobiografias, textos epistolares e memorialísticos. Oferece subsídios às pesquisas que abrangem usos e práticas destes artefatos culturais na formação do leitor e no processo de escolarização de crianças e jovens. Analisa ainda a produção cultural provenientes de movimentos juvenis urbanos em duplo sentido: testemunhos históricos e literatura de resistência de pessoas e grupos sociais em situação de vulnerabilidades sociais.


Bibliografia Básica
ARIÈS, Philippe. O tempo da história. Lisboa: Relógio D'Água, 1992.

ARENDT, Hannah. Homens em tempos sóbrios. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Obras escolhidas. 7 ed. São Paulo: Brasiliense, 1997.

BOSI, Alfredo. Literatura e resistência. São Paulo: Companhia das Letras,

CÂNDIDO, Antônio. A literatura e a formação do homem. In: Revista Ciência e Cultura, v.24, nº 9, 1972.

CANIVEZ, Patrice. Educar o cidadão? Campinas, SP: Papirus, 1991.

CARVALHO, José Sérgio Fonseca de. Educação, Cidadania e Direitos Humanos. Petropólis: Vozes, 2004.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano. Artes de fazer. 3ª. Ed. Petrópolis: Vozes, 1998.

DARNTON, Robert. O beijo de Lamourette. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

EISENSTEIN, Elizabeth L. A revolução da cultura impressa: os primórdios da Europa moderna. São Paulo: Ática,1998.

FOUCAULT, Michel. Ética, sexualidade e política. 2ªed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

GAY, Peter. Savage reprisals. Bleag house, Madame Bovary, Buddenbrooks. New York ; London: W.W. Norton & Company LTDA, 2003.

_________. Freud para historiadores. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989.

HUNT, Lynn. A nova história cultural. 2ªed. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

_________. Inventing human rights. New York ; London: W.W. Norton & Company LTDA, 2007.
_________. O Romance e as origens dos direitos humanos. Interseções entre História, Psicologia e Literatura. In: Varia História, Belo Horizonte, vol.21, nº34: p.267-289, julho de 2005.

KOLLERITZ, Fernando. Testemunho, juízo político e história. In: Revista Brasileira de História.vol.24, nº48, p.73-100, 2004.

LEFORT, Claude. Humanismo e Anti-Humanismo: uma homenagem a Salman Rusdhie. In: Desafios da escrita política. São Paulo: Discurso Editorial, 1999.pp.37-53.

LYONS, Marlyn. Os novos leitores no século XIX: mulheres, crianças, operários. In: CHARTIER, Roger; CALLO, Guglielmo. História da leitura no mundo ocidental. 2. São Paulo: Ática,1999.

 

Disciplina Optativa: A inteligência da criança em perspectiva antropológica

Disciplina Optativa: A inteligência da criança em perspectiva antropológica
Professor (a) Responsável: Marcos Cezar de Freitas
Dia da Semana: Segunda-Feira
Horário: das 15hs às 18hs
Local: LEVI. Rua Claudino Barbosa, 313, Bairro Macedo, Guarulhos, Secretaria de Educação de Guarulhos, 2º andar do Bloco 2.
Aulas quinzenais

Ementa:

Nessa disciplina serão examinados textos fundamentais de autores que, no âmbito dos estudos antropológicos, propuseram revisões que impactaram os estudos sobre a inteligência da criança e, em certo sentido, a própria concepção de inteligência.

 


Bibliografia Básica
BARTRA, Roger. Antropologia del cerebro. Ciudad de México, Fondo de Cultura Económica, 2010.
BOAS, Franz. A mente do ser humano primitivo. Petrópolis, Editora Vozes, 2011.
GOODY, Jack. A domesticação da mente selvagem. Petrópolis, Editora Vozes, 2012.
GOULD, Stephen Jay. A falsa medida do homem. São Paulo, Editora Martins Fontes, 2003.
LÉVI-STRAUSS, Claude. As estruturas elementares do parentesco. Petrópolis, Editora Vozes, 2011.
MERLEAU-PONTy, Maurice. A estrutura do comportamento. São Paulo, Editora Martins Fontes, 2010.
MERLEAU-PONTy, Maurice. A prosa do mundo. São Paulo, Editora Cosac & Naify, 2010.
MITHEN, Steven. A pré-história da mente. São Paulo, Editora da UNESP, 2014.
MOYSÉS, Marcia Aparecida Affonso. A institucionalização invisível. São Paulo, Mercado de Letras, 2010.
WOLFF, Francis. Nossa humanidade. São Paulo, Editora da UNESP, 2013.

 

 

Disciplina/Seminário: Introdução ao Campo Educação e Saúde/ Pesquisa em Educação e Saúde

Disciplina/Seminário: Introdução ao Campo Educação e Saúde/ Pesquisa em Educação e Saúde (obrigatória para mestrandos e doutorandos)
Professor (a) Responsável: Marcos Cezar de Freitas
Dia da Semana: Sexta-Feira
Horário: das 9 às 12hs
Local: LEVI.
Rua Claudino Barbosa, 313, Bairro Macedo, Guarulhos, Secretaria da Educação de Guarulhos, 2º andar do Bloco 2.
Aulas quinzenais

Ementa:

 

Esta disciplina oferece os parâmetros teóricos para a pesquisa interdisciplinar em educação e saúde com ênfase específica sobre os temas infância e adolescência. Como a questão que inicialmente se apresenta é de elucidar a própria constituição do campo, a estratégia utilizada consiste em conduzir o pós-graduando a pensar esses temas, infância e adolescência, "dentro" do território analítico que se estrutura com o diálogo interdisciplinar entre educação e saúde. Em outras palavras, consiste em evidenciar que educação e saúde são elementos configuradores do que pensamos sobre crianças e adolescentes. O objetivo é proporcionar ao pesquisador em formação desenvolver com acuidade sua percepção de que a infância é um tempo relacional, cujas variações na forma e na duração indicam ser essa "fase da vida", antes de tudo, um tempo social em permanente processo de construção. Por isso, esta disciplina conduz o aluno aos principais temas da história social da infância oferecendo elementos para uma distinção densa entre a história dos tempos do corpo (da criança, portanto) e a história dos tempos em que as crianças permanecem agrupadas "porque" são crianças (da infância e suas instituições, portanto). Tais estudos se desdobram em processos de análise, através dos quais, o pesquisador é provocado a perceber que um tempo social é sempre suscetível a variações. Essas variações evidenciam a presença de desigualdades sociais e de diversidades culturais que são decisivas para o estudo tanto do modo como vivem as crianças e os adolescentes, como também para o estudo sociológico e antropológico da consolidação dos repertórios clínicos que nos informam sobre o cotidiano de crianças e adolescentes que se veem às voltas com seus corpos em relação a outros corpos, com seus intelectos em relação a outros intelectos.
Programa
1. A distinção epistemológica entre infância e criança
2. A construção social da infância
3. A construção social do corpo da criança
4. O corpo da criança como objeto de ciências médicas
5. A construção social do intelecto da criança
6. O intelecto da criança como objeto de ciências educacionais
7. As formas sociais do corpo e do intelecto
8. Individuação e interação na infância e na adolescência

 

 

Bibliografia Básica
ARIÈS, Philippe. L'enfant et la vie familiale. Paris, PLON, 1990.
BECCHI, Egle e JULIA, Dominique. Histoire de l'enfance em occident. Paris, Seuil, 1998, tome 1 et tome 2.
CORSARO, William. The sociology of childhood. Califórnia, Pine Forges Press, 1997.
FREITAS, Marcos Cezar de e KUHLMANN JR, Moyses. Os intelectuais na história da infância. São Paulo, Cortez Editora, 2004.
FREITAS, Marcos Cezar de. Alunos rústicos, arcaicos e primitivos: o pensamento social no campo da educação. São Paulo, Cortez Editora, 2006.
FREITAS, Marcos Cezar de Freitas. O aluno problema: forma social, ética e exclusão. São Paulo, Cortez Editora, 2011.
JAMES, Allison & PROUT, Alan & JENKS, Chris. Theorizing childhood. Cambridge, Polity, 2005.
JAMES, Allison & PROUT, Alan. Constructing and reconstructing childhood. London, Taylor Francis Group, 2005.
MAUSE, Loyd de. The history of childhood. London, Jason Aronson, 1995.
MAUSS, Marcel. "Técnicas do corpo". In: MAUSS, Marcel. Antropologia e Sociologia. São Paulo, Cosac & Naity, 2000.
MAYALL, Berry. Towards a sociology for childhood. Philadelphia, Open University Press, 2002.
NARODOWSKI, Mariano. Infancia y poder. Buenos Aires, AIQUE, 2000.
POSTMAN, Neil. The disappearance of childhood. New York, Vintage Books 1994.
QVORTRUP, Jens. Childhood and children's culture. Copenhagen, University Press of Southern Denmark, 2002.
STONE, Lawrence. The family, sex and mariage in England 1500-1800, London, Penguin Group, 1990.
ZANTEN, Agnes van. L'école de la perifhérie. Paris, PUF, 2007.

 

 

 

 

Última atualização em Ter, 01 de Julho de 2014 12:21
 

Disciplina: Docência no Ensino Superior

Disciplina: Docência no Ensino Superior
Professor Responsável: Umberto de Andrade Pinto
Dia da Semana 2ª feira
Horário: das 9h às 13h
Local: campus Guarulhos
Aulas semanais: oito semanas com início na segunda quinzena de setembro/2014

Ementa:

A disciplina analisa a construção da identidade docente no pesquisador universitário e examina um repertório pedagógico básico que favoreça a reflexão sobre a organização e a prática docente em diferentes contextos. Problematiza as demandas e os desafios do ensino superior no cenário educacional contemporâneo, a partir dos marcos históricos do seu desenvolvimento no Brasil. Analisa o processo de ensino e aprendizagem a partir de diferentes concepções pedagógicas introduzidas ao longo da história da educação no país. Considera o ensino como prática social reflexiva e a formação do professor sob a perspectiva do desenvolvimento profissional docente.

Bibliografia Básica

ANASTASIOU, Lea; ALVES, Leonir (orgs). Processos de ensinagem na universidade: pressupostos para as estratégias de trabalho em aula. Joinville: Editora UNIVILLE, 2003.
CASTANHO, Sérgio; CASTANHO, Maria E. (orgs). Temas e Textos em Metodologia do Ensino Superior. Campinas /SP: Papirus, 2001.
PIMENTA, Selma G.; ANASTASIOU, Lea das Graças. Docência no Ensino Superior. São Paulo: Cortez, 2002.
_________________; ALMEIDA, Maria Isabel (orgs). Pedagogia Universitária: caminhos para a formação de professores. São Paulo: Cortez, 2011.

Última atualização em Ter, 01 de Julho de 2014 12:20
 


JPAGE_CURRENT_OF_TOTAL

abril/2009