Névoa, por Maria da Glória S.G. Marcondes

Névoa – Miguel de Unamuno
Relato de Maria da Glória S.G. Marcondes

Não havia ouvido nada sobre o autor até esta proposta de leitura pelo LabHum, e agora fico com a impressão de que o conheço de muito tempo atrás. Obra fundamental que contribui muitíssimo para uma reflexão da existência humana. Unamuno, este autor espanhol é bárbaro, trata de um assunto tão visceral de forma tão agradável, que me prendeu desde o início até terminar o livro. 

Passei por momentos de tensão, principalmente na figura de Eugênia. A construção desta personagem forte e fria me revoltou e o desfecho para ela não me surpreendeu, mas entristeceu. Como figura feminina de destaque esperei uma representante mais digna, desejei que assim fosse, mas a realidade criada pelo autor foi diferente e tive que superar.

A névoa constante na qual Augusto está imerso também causa incômodo. Quantas incertezas, reflexões e tristezas emergem deste personagem real. Sim, é personagem? É real? É ambos. Ganha vida com esta obra tão profunda e se debate com o autor pelo próprio destino. Este foi um dos pontos fortes do livro, dentre tantos outros, como as conversas com Víctor, amigo e confidente.

Quando tomamos a consciência de que um simples acontecimento, uma simples escolha vai descortinar um destino, é sempre admirável percebermos nossa insignificância, nossa pouca determinação dos acontecimentos da própria vida, nossa vida de rã. Tomar as rédeas nas próprias mãos passa a ser quase uma ilusão, pois somos todos criaturas predestinadas!? Há um autor por trás de tudo? Ele só aparece no final? Quando envelhecemos ficamos mais crédulos, mais transcendentais, nos envolvemos em uma névoa de crendices que tranquilizam em relação ao futuro distante ou nem tanto. Muitas vezes também discutimos com o criador nosso próprio destino: por que eu? Por que isso tinha que acontecer logo comigo? Nem sempre aceitamos o final que se apresenta e que assim seja, pois muitas vezes conseguimos alterá-lo em alguma medida. Pensar este tema tão denso através desta obra foi muito interessante, divertido e profundo. Para mim foi também surpreendente, da forma mais positiva da surpresa.

Trocar impressões com colegas tão diversos de formações quanto de sentimentos, entendimentos e formas de se expressar foi enriquecedor. Percebi que me expresso pouco e com certo receio, pois tenho a organização do pensamento e da fala mais simples, isso me descortinou pontos a melhorar e que nas próximas leituras pretendo desenvolver.

Fico agradecida por ter participado.

 


Centro de História e Filosofia das Ciências da Saúde - CEHFI
Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP
Ministério da Educação

Rua Loefgreen 2032, Vila Clementino, São Paulo, SP.

Fones: 55-11-55764848 ramal 2533 / 55-11-5084-8582