MERGULHANDO NAS PROFUNDEZAS DO HUMANO - Fabian Furlaneto

Quando recebi as informações sobre o Labhum e o curso sobre humanização em saúde, o tema imediatamente me chamou a atenção com o título “MERGULHANDO NAS PROFUNDEZAS DO HUMANO” através da leitura do livro “Os Irmãos Karamázov” de Fiódor Dostoievski. Além de a obra ser um clássico da literatura mundial o primeiro grande desafio era enfrentar a dificuldade na leitura de livros tão profundos e eruditos como este. Em segundo lugar, porém de caráter decisivo, a grande oportunidade de usar a arte para a compreensão dos seres humanos, (se é que isto é possível) o que venho fazendo há anos cientificamente em meus estudos e empiricamente na vida pessoal e profissional seja como pai, filho, irmão, parente, amigo, ou ainda como, empregado, filho do dono, professor, aluno, empresário, entre outros. 

No entanto, o que jamais me passou pela cabeça é que esta seria talvez a imersão mais profunda da natureza humana que eu experimentaria na minha vida, pelo menos é que penso ser até hoje. Conseguintemente fiquei com a impressão de que este livro é possuidor de alma humana, uma vez que quando você pensa que já o conhece por inteiro, durante nossas reuniões ficou evidente a sua capacidade de surpreender a cada rodada com as diversas dimensões apresentadas pelas diferentes perspectivas de todos que se pronunciavam, o que é uma das principais características das pessoas, ou será que você nunca se surpreendeu com alguém a quem você pensava conhecer como ninguém?

Além disso, ainda que no começo tenha sentido um pouco de pânico, depois de decorridas quase 200 páginas e quando parei para respirar me dei conta que nada havia sido absorvido, respirei mais fundo ainda e comecei a ler em outro ritmo, desta vez com atenção redobrada e dedicada. Na seqüência logo nos primeiros encontros, para meu alívio, vi que não se tratava de uma particularidade minha, mas uma dificuldade generalizada e essa oportunidade de dividir as experiências em grupo me deixaram mais confortável e confiante para seguir adiante no curso.

Superadas as dificuldades técnicas eis que suscitam as verdadeiras dificuldades, as variáveis incontroláveis da vida, ou melhor, humanas. Do começo ao fim da obra nunca imaginei que um livro do século XIX pudesse ser tão moderno e tratar de questões tão complexas e em voga atualmente. Logo no começo, na caracterização dos personagens, quando a cada descrição identificávamos pessoas reais e por vezes nós mesmos, tais eventos afloravam alguns afetos nem sempre agradáveis, mas nitidamente de caráter provocador, catalizando nossos pensamentos e nos proporcionando todo tipo de sensações e sentimentos. Mesmo quando atingimos o romance propriamente dito (volume 2), para mim continuou a provocação ficando até mesmo a história em segundo plano. Digo isso, pois a cada rodada, a cada reunião, a cada leitura é como se eu levasse um tapa na cara que sempre me despertava pelos temas debatidos que abordavam o quão falíveis somos como ser e o quão poderoso também podemos ser quando estivermos imbuídos de compaixão, nobreza e verdade.

Termino o curso com a enorme vontade de querer mais, talvez um ser humano melhor e no mínimo um ser mais reflexivo sobre as coisas mundanas e principalmente das relações humanas. Por fim, fica a certeza de que um mundo melhor existe e que está dentro de cada um de nos e que a cada externação é uma esperança que se renova.

Fabian Furlaneto

São Paulo, 21 de novembro de 2013.

 


Centro de História e Filosofia das Ciências da Saúde - CEHFI
Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP
Ministério da Educação

Rua Loefgreen 2032, Vila Clementino, São Paulo, SP.

Fones: 55-11-55764848 ramal 2533 / 55-11-5084-8582